Em Fevereiro de 1923, por motivo de promoção, fui transferido da comarca de Tete, em Moçambique – a primeira onde servi no Ultramar – para a de Moçâmedes em Angola.
Naquele tempo, ir para as colónias ainda representava, na maior parte dos casos, um certo sacrifício, por vezes um grande sacrifício.
Quem hoje faz carreira pelo Ultramar, nestes tempos em que a mais sertaneja vilória oferece todas as comodidades modernas, não faz ideia das dificuldades com que a maior parte das vezes tínhamos de lutar. Ainda me lembro da conversa que tive, um dia, com o desembargador da recém criada Relação de Coimbra, Dr. Augusto Ferreira dos Santos, que fez uma brilhante carreira no Ultramar, e a quem eu, que pensava seguir a magistratura ultramarina, pedi certas informações de que necessitava:
- Não se iluda – disse-me ele. As vantagens que tiramos do Ultramar são bem amargas pelas contrariedades que temos de suportar. Mais vale ganhar aqui dez do que lá vinte.
No entanto, eu obedeci à voz que canta dentro de cada português, convidando-o a experimentar a aventura; e lá fui, de abalada, com a mulher e um filho de 8 meses.
Ainda hei-de contar o que foi esta viagem, se Deus me der vida, saúde e coragem, as quais se me vão extinguindo a passos apressados.
Comecei por Tete, como digo acima. Ali me conservei perto de 3 anos, naquele clima tórrido, onde se pode estrelar um ovo numa pedra aquecida ao sol do meio dia. Também tenho que contar, do que lá passei.
Transferido dali para Moçâmedes, fizemos a viagem pelo Chinde, descendo o Zambeze, cheio a transbordar, inundando os terrenos marginais numa extensão de muitos quilómetros. Espectáculo soberbo! O Chinde, depois do ciclone de 1922, não era o mesmo que eu conheci em 1920, quando na minha passagem para Tete. Tendo deixado de ser porto de embarque do açúcar das fábricas instaladas nas suas margens, o qual passou a ser transportado no caminho de ferro trans-zambeziano da Beira a Blantyre (Niassalândia), o porto do Chinde caiu verticalmente. Isto, juntamente com os estragos causados pelo ciclone a que acima aludo e a que já fiz referência numa das minhas crónicas, fez daquele porto, que está sujeito ao vai-vem das areias movediças do delta do Zambeze, um porto de baixa categoria.
Ali fizemos transbordo para o “Manica”, pequeno vapor de cabotagem de 900 toneladas que nos transportou a Lourenço Marques, sem mais escala, em 3 dias, por cima de um mar meio encapelado, que fazia o pequeno navio dançar como uma casca de noz.
Nunca enjoei, em qualquer espécie de transporte: nem de barco, de avião, de carro ou de comboio; no entanto, senti-me aliviado quando calquei terra firme ao desembarcar em Lourenço Marques.
Eu já conhecia a capital de Moçambique, da minha passagem ali, três anos antes, a caminho de Tete, via Beira. Mas apenas lá permanecera algumas horas, pois ia directo à Beira, onde fiz transbordo para o Chinde.
Quando desembarquei em Lourenço Marques, estava atracado ao cais, se não estou em erro, o vapor de grande tonelagem, antigo “Moçambique”, o mesmo navio que me levara de Lisboa à Beira na minha primeira viagem para o Ultramar. Era impossível apanhá-lo para seguir nele para Moçâmedes, por falta de tempo para desembarque da bagagem e tratar das formalidades oficiais, pois nós viajávamos à custa do Estado.
Além disso, convinha-me um período de descanso em Lourenço Marques, cidade já naquele tempo dotada de todo o conforto e dispondo de todos os recursos, quer próprios, quer resultantes da sua proximidade da União Sul-Africana, a umas escassas horas de automóvel e a cerca de 12 de comboio. Levávamos o filho mais novo muito doente. Ficara-nos uma filha de 3 meses enterrada em Tete, e este também lá teria ficado se lá continuássemos.
Convinha-me, por isso, um pequeno descanso em Lourenço Marques, antes de seguirmos para Moçâmedes, terra plantada nos confins do deserto de Kalahari, a qual eu ainda não conhecia senão do mapa, porque a minha primeira viagem tivera por primeira etapa a grande tirada de Lisboa ao Cabo, sem tocar nos portos da África Ocidental.
Mas esta já vai longa e, embora sem interesse, tenho de lhe pôr ponto final, que não há espaço para mais. Continuarei no próximo número, e oxalá com mais interesse, como espero.